Em Santiago, não deixe de...

by - quinta-feira, junho 16, 2016


Seguindo, ainda que um pouco atrasada, com os posts sobre o Chile, considero fundamental mostrar para vocês algumas das experiências que mais curti na capital do país. 

São coisas simples, que misturam os roteiros tradicionais com as dicas dos moradores, mas que contribuem - e muito! - para uma viagem ainda mais proveitosa.
Com vocês, cinco coisas que não podemos deixar de fazer, uma vez em Santiago:

Santiago não é o que podemos chamar de uma “cidade plena”. Pudera: cercada pela cordilheira mais importante da América do Sul, a cidade abriga também vários “Cerros” (espécie de “morros”), que se tornaram, na realidade, verdadeiros pontos turísticos e culturais na cidade.

Primeiramente, o Cerro Santa Lucía: Além de ser um lugar lindo e ideal para tirar muitas fotos, é repleto de história. A subida também é muito tranquila, dividida em vários “andares” com atrações: mirantes, pracinhas e cantinhos estratégicos para fotos.

Já o Cerro San Cristóbal é bem maior e abriga, entre outras atrações, o próprio zoológico da cidade (alvo de uma grande polêmica nos últimos dias). Para a subida, exige-se disposição. Se esse não for o caso, don’t worry: o Cerro conta com um tradicional “funicular”, espécie de “bondinho” retrô. 
Lá em cima, a visita ao Parque Metropolitano (também dentro do Cerro), a vista maravilhosa da cidade e o santuário da Imaculada Conceição são obrigatórios. 
Bebidas tradicionalíssimas no Chile, é bem fácil encontrá-las em todos os bares da cidade.
O "Terremoto" é um drink que mistura vinho branco, sorvete de abacaxi e fernet, granadina ou licor amargo. É bem docinho e há quem diga ser enjoativo. Eu gostei, particularmente. Parece um milk-shake, sabe? rs

Já o "Pisco Sour" lembra um pouco a nossa caipirinha, porém com mais álcool (o pisco é um destilado peruano muito alcoolico) e também combinada com limão. Na verdade, existem vários "sabores" e tanto no mercado quanto no freeshop você encontra garrafas da bebida pronta.

Para quem quer variar um pouco entre a variedade de vinhos chilenos (maravilhosos!), essas duas bebidas são uma boa opção. Tente experimentá-las em alguns dos tradicionais bares chilenos, como os que existem no Bairro Bellavista (fuja do Patio Bellavista - shopping "pega turista" - e aventure-se nos bares universitários!) ou então no tradicionalíssimo La Piojera, considerado o "pai" do "Terremoto" chileno.
Essa dica vai especialmente para quem curte tirar MUITAS fotos. Meio escondido no centro da cidade, o bairro Paris-Londres te transporta diretamente para o outro lado do mundo.
Isso tudo devido às suas ruas sinuosas e estreitas de ladrilhos, a típica arquitetura retrô européia e o clima calmo, tranquilo e simpático que o bairro inspira.

Mas não espere encontrar grandes atrações. Nenhuma, na verdade. Encaixe esse passeio em meio a sua vista ao centro da cidade (salte no metrô "Universidad de Chile"), mas não deixe de conhecer, na rua Londres, o Instituto O'Higginiano, que foi, antes da ditadura, sede do Partido Socialista chileno e, depois do golpe de estado, centro de detenção e tortura. Até hoje, nos ladrilhos em sua porta, a gente encontra o nome de algumas das pessoas que foram torturadas e mortas naquele lugar. É uma lembrança pesada e triste, mas extremamente relacionada à história do Chile.

Santiago é uma cidade com muita história e museus incríveis. Não deixe de conhecer, principalmente:

a) Museu da Memória e dos Direitos Humanos: Um dos museus mais emocionantes que já visitei. Além de uma arquitetura maravilhosa, esse museu, que relembra e guarda as duras marcas da ditadura chilena, apresenta um panorama bem completo da forma como a tortura e a violação dos direitos humanos se deu no Chile durante a Ditadura. Desse modo, cumpre o objetivo de não se deixar esquecer tudo aquilo que já passaram os chilenos vítimas de um golpe de Estado. Impossível não pensar porque não temos nada parecido no Brasil...

b) O Museu de Arte Contemporânea (foto): Sempre com exposições atuais, além de uma arquitetura incrível, o MAC é pequeno mas vale a visita. Ele possui, na realidade, duas sedes: uma na Quinta Normal (foto - com um lindo parque em frente) e outra no Parque Forestal, e pertence à Faculdade de Artes da Universidade do Chile.  

c) Centro Cultural Palacio de la Moneda: Também com exposições bem atuais, quando o visitei tive a oportunidade de conferir uma amostra incrível de fotografias sobre a história do Chile. Vale a pena também pela arquitetura: imagine que o centro fica no "subsolo" da Sede do Governo! 

d) Museu Histórico Nacional: Parte do "circuito obrigatório" no centro da cidade (o museu fica em frente à Plaza de Armas), o Museu Histórico Nacional é uma boa oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a história do Chile, desde a sua colonização. Para isso, conta com vários objetos e peças originais, além de reconstituições que "encenam" o modo como os antigos "chilenos" viviam. 

Por fim, e aproveitando a visita ao Museu Histórico Nacional, não deixe de dar uma passadinha na Catedral de Santiago para agradecer. Ainda mais linda por dentro do que por fora, o local transmite uma paz absurda e é uma boa maneira de se acalmar e se confortar em meio ao caos do centro urbano. Respire, agradeça e peça para poder voltar à Santiago mais 1000x. Garanto que vale a pena!


E vocês, curtiram as dicas da cidade? Em breve falarei um pouco mais sobre a gastronomia, outros pontos turísticos e informações úteis. Fiquem ligados!

Um beijo.
Jú. 

You May Also Like

0 Opiniões sobre