Trilha da Pedra da Gávea #healthy

by - domingo, setembro 04, 2016


Ontem tive a oportunidade de viver uma das experiências mais inesquecíveis da minha vida. Depois de adiar várias vezes, finalmente tomei coragem e subi a Pedra da Gávea com meus amigos. Foi um dia cansativo, ensolarado e muito divertido, onde estivemos em contato direto com a natureza, nos desafiamos e superamos nossos medos (no meu caso, o medo de altura!).

Só que, na verdade, não foi nem um pouco fácil chegar lá em cima. Além da trilha ser longa e cansativa, com várias passagens bem perigosas, a famosa "Carrasqueira" (etapa mais punk da trilha) é um desafio e tanto até para os trilheiros mais experientes. É necessário calma, atenção e confiança em si mesmo para encarar a subida, íngreme e com pouco apoio.
Não vou mentir: pensei em desistir sim, e fiquei um bom tempo lá embaixo pensando nisso. Foi quando entrou em cena um personagem maravilhoso, inesperado e gentil, que ajudou a nossa subida e tornou esse dia ainda mais especial.






Começamos a trilha às 9h20 da manhã. Para chegar lá, pegamos o ônibus 557 no Leblon, que seguia em direção à Rio das Pedras, e descemos próximos a uma praça aos pés da descida do Joá. Na verdade, não foi muito difícil chegar lá, e depois de uma pequena caminhada, chegamos ao início ao Trilha.

Deixamos nossos nomes e telefones na Portaria e nos preparamos para começar a subida.
Conosco, nossas mochilas carregavam frutas (banana é ótima para evitar a câimbra, comum no desgaste físico), nuts e muita água. Além disso, recomendo também levar corda (pode ajudar em alguns trechos da trilha), dinheiro, identidade e uma canga, para quem quiser sentar lá em cima depois. Quanto às roupas, uma boa ideia é usar peças de ginástica confortáveis e de preferência não muito curtas, para evitar arranhões. Quem se sentir confortável, pode levar também luvas, que podem ajudar na subida das pedras. O tênis tem que ser o menos escorregadio possível (infelizmente os de corrida tendem a escorregar muito!), e as botinhas específicas para trilha são sempre a melhor opção.



A primeira fase da trilha é relativamente tranquila, embora longa e cansativa. Tome cuidado com a subida das Pedras e preste bastante atenção em tudo o que está fazendo (por isso recomendo fazerem o passeio o mais cedo possível - a Trilha "abre" 8h da manhã e "fecha" às 15h - para não encarar a descida à noite), de modo a evitar machucados.

Na hora da Carrasqueira, no entanto, a tensão pesa. Para quem realmente não se sentir preparado para subir, uma boa opção é pedir ajuda ao Kleber, rapaz super bacana que oferece um serviço de rapel na trilha por R$30 subida + descida. Nós, no entanto, por sorte, destino ou colocação divina, conhecemos o Eduardo, gentil e prestativo, que se ofereceu para nos ajudar na subida e nos acompanhou em todo passeio. O Dudu, aliás, como é chamado, é conhecido por fazer a subida e a descida em menos de 2 minutos, como podemos ver nesse vídeo aqui no Youtube. Muito fera!

Uma vez lá em cima, finalizamos a trilha, exploramos o local e tiramos muitas fotos. A vista, aliás, é absolutamente recompensadora de todo o esforço investido, e essa é, com certeza, uma experiência para toda vida.

Na descida, preferimos não nos arriscar na Carrasqueira novamente e descemos com Kleber, de rapel - o que também é bem bacana!
Depois, terminamos a trilha e voltamos para casa, felizes e orgulhosos pelo desafio concluído, apesar das dores do dia seguinte (repetindo: a trilha é puxada!).

Definitivamente: vale a pena! Preparem-se, hidratem-se e reúnam os amigos para ir (não façam a trilha sozinhos, mesmo!), tirem muitas fotos e compartilhem suas impressões por aqui. Afinal, vou adorar saber!

Um beijo,
Jú.

(+ trilhas aqui)



You May Also Like

2 Opiniões sobre

  1. Oi, Ju ! Tudo bom ?
    Você, que adora fazer trilhas, já conheceu o mangue de pedra ? Se localiza em Búzios e só existe 3 lugares no mundo, um deles é em Búzios.
    Você poderia fazer trilha lá, pois é um lugar lindo e bem relaxante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Jessica! Conheço sim, mas confesso que há muito tempo não vou lá...
    Quem sabe um próximo post aqui no blog não é sobre isso?
    Obrigada pela dica!
    Beijo

    ResponderExcluir